Corrêa Lima

José Octávio Corrêa Lima – * São João Marcos, RJ, 1878 – + RJ, 1946

Iniciou a sua formação artística em 1892, frequentando, como aluno livre, as aulas de Belmiro de Almeida e Rodolpho Bernardelli na ENBA.

Na Exposição Geral de 1899, foi contemplado com o Prêmio de Viagem ao Estrangeiro, com a obra Remorso. Entre 1899 a 1902, permaneceu no Velho Mundo, primeiro em Paris, depois em Roma, cidade onde montou um ateliê. Em 1907, já fixado definitivamente no Brasil, Corrêa Lima classificou-se em primeiro lugar no concurso para a execução do monumento ao Almirante Barroso, hoje localizado na Praça Paris, RJ. Entre 1910 e 1930, ministrou aulas de escultura na ENBA – instituição da qual foi ainda diretor, entre 1927 e 1930 – e atuou como membro do Conselho Superior de Belas Artes. Em 1930, foi nomeado Presidente de Honra da Sociedade Brasileira de Belas Artes do Rio de Janeiro, cargo que ocupou até o seu falecimento. Foi, ainda, membro da Academia Fluminense de Letras.

Tem obras urbanas no RJ, bem como nos acervos do MNBA, MHN, MEBADJVI e em MG,  no Museu Mariano Procópio, em Juiz de Fora.

Fonte: Documentos do Museu D. João VI, RJ

Monumentos

Domingos Martins

Cidade: Vitória

Líder da Revolução Pernambucana


  • Apoio

    Actual Contabilidade
  • Patrocínio

    Lei Rubem Braga Prefeitura de Vitória Grupo CJF Vale
  • Realização

    Ofício Comunicação e Cultura