Pichadores não perdoam nem o papa

21 de junho de 2017

Reportagem de Lucas Rezende, jornal A Tribuna
Foto Leone Iglesias

Padre Renato, junto à estátua do papa Pio XII: “Símbolo religioso precisa de respeito”.

A reportagem do jornal A Tribuna não precisou andar muito para chegar a uma conclusão: Vitória está tomada por pichações. Entre enormes prédios, escadarias, placas e paredes, nem a estátua em homenagem a Pio XII, no Centro, escapou dos pichadores: está tomada por rabiscos pretos que, até hoje, a prefeitura não retirou.

E o problema é antigo: a estátua está pichada há quase um ano, o dedo está quebrado e não há mais placa de identificação.

O padre Renato Criste Covre, da Paróquia Nossa Senhora da Vitória, no Centro, se deparou com a escultura, de mais de meio século de existência, vandalizada e não gostou do que viu.

“Todo monumento público, que homenageia algo ou alguém, precisa ser respeitado pelos demais. Tratando-se de um símbolo religioso, este respeito precisa ser maior ainda porque estamos falando de valores da fé”, disse o religioso.

Quando este símbolo é o papa Pio XII, que morreu na Itália, em 1958, após sofrer um ataque cardíaco, lembra padre Renato, a situação é ainda mais incômoda e desrespeitosa.

“O papa Pio XII representa muito a Igreja Católica em Vitória. Foi ele quem, em fevereiro de 1958, elevou a diocese de Vitória à categoria de arquidiocese e sé metropolitana, passando a denominar-se Arquidiocese de Vitória do Espírito Santo”, relembra.

E ele não está sozinho. A aposentada Valdira Ribeiro, de 68 anos, passou pela praça Pio XII, onde se encontra a estátua, e ficou desapontada. “Primeiramente é uma falta de educação, ainda mais sendo um símbolo religioso, uma imagem católica. Além de limpar urgentemente, a prefeitura precisa colocar uma vigilância nesses monumentos mais importantes”, pediu.

Dono de uma banca de revista a menos de cinco metros da estátua, José Patrocínio, 47, disse que circular por Vitória, principalmente pelo Centro, e encontrar pichações dos mais variados tipos “virou rotina”.

“Moro aqui há 28 anos e ultimamente a situação piorou bastante. Já passou da hora do poder público vir aqui e resolver o problema da pichação”, reclamou.

Perto dele, o manobrista Rodrigo Aprígio, 28, compartilhou do mesmo desejo: “É uma falta de respeito, tanto de quem suja, quanto das autoridades que não limpam. E tem tempo que vejo ela assim!”.

Monumento vai ser restaurado, diz prefeitura

A Secretaria de Cultura da Prefeitura de Vitória informou que está em negociação com a iniciativa privada para viabilizar a restauração da estátua em homenagem ao papa Pio XII, entretanto não definiu o prazo para iniciar os serviços.

Informou ainda que no dia 10 de junho foi realizado um trabalho de limpeza cuidadosa na estátua Pio XII, mas que mesmo assim ela precisa de reparo.

De acordo com o secretário de Cultura, Francisco Grijó, o município gasta, por mês, em torno de R$ 180 a R$ 200 mil para recuperação do patrimônio público por conta do vandalismo e da depredação em monumentos, abrigos de ônibus, lixeiras, bancos de praças e outros bens públicos..

O secretário de Segurança Urbana de Vitória, Franzio Mota, disse que a Guarda atua com detenções (foram quatro este ano) e vídeomonitoramento a fim de identificar destruição do patrimônio. “Mas não há uma câmera que focaliza a estátua. Não dá para captar todos os ângulos”, justificou.

Fronzio destacou que há também uma lei municipal que pune financeiramente quem comete dano ao patrimônio público (a multa gira em torno de R$ 9 mil), mas disse que os penalizados ainda estão recorrendo administrativamente.

 

Deixe um comentário

  • Apoio

    Actual Contabilidade
  • Patrocínio

    Lei Rubem Braga Prefeitura de Vitória Grupo CJF Vale
  • Realização

    Ofício Comunicação e Cultura