Parede de ruína histórica do Trapiche desaba em Marataízes

24 de maio de 2015

Autora: Beatriz Caliman – Gazeta Online

Uma das paredes das ruínas do Trapiche, um dos pontos turísticos mais visitados do balneário de Marataízes, no Litoral Sul, desabou na madrugada deste domingo (24). Desde o início do mês, a Defesa Civil do município havia providenciado medidas paliativas para conter a fachada do antigo imóvel da segunda metade do século XIX.

No local, restaram apenas a parte frontal do imóvel e algumas poucas colunas. O ponto turístico, muito procurado por fotógrafos e noivos, definhava há anos. Até o final da tarde, os destroços permaneciam no chão.

Desde o dia 5 de maio, o coordenador da Defesa Civil, Anderson Gouveia, alertava sobre o risco de desabamento. Além de tração de cabos de aço, a fachada de aproximadamente 20 metros estava fechada para a circulação de veículos, até que um projeto de revitalização fosse elaborado.

De acordo com Gouveia, um relatório elaborado por um engenheiro da prefeitura, denunciando a fragilidade do imóvel, foi enviado ao Ministério Público e à Secretaria de Estado da Cultura (Secult), que afirmou, na época, ter orientado a prefeitura sobre os procedimentos necessários à contenção provisória do Trapiche até projeto definitivos de restauro.

HISTÓRIA

O Trapiche foi construído pelo Barão de Itapemirim em 1860. O imóvel tinha a finalidade de armazenar os produtos agrícolas que seriam escoados para o Rio de Janeiro, além de controlar as embarcações a vapor que subiam o Rio Itapemirim.

A obra possuía dois pavimentos, e no local também funcionava o escritório da Coletoria Estadual de Impostos até meados da década de 50, quando foi desativado. Seu segundo pavimento já não existia há pelo menos 30 anos. O imóvel foi tombado pelo Conselho Estadual de Cultura em 1998.

Fonte: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2015/05/noticias/cidades/3897944-parede-de-ruina-historica-do-trapiche-desaba-em-marataizes.html

 

Deixe um comentário

  • Apoio

    Actual Contabilidade
  • Patrocínio

    Lei Rubem Braga Prefeitura de Vitória Grupo CJF Vale
  • Realização

    Ofício Comunicação e Cultura